segunda-feira, 27 de julho de 2009




Oii.. Saudações Rubro negra.. bem ontem não foi o jogo dos melhores da capacidade do flamengo mais foi maneiro.. Depois do gol o desabafo.. um monte de palavrões do imperador.. isso ai didico.. grande beijo e vamos ao maraca quinta hem...





Artigo: 'Que não se fale mais em Vanderlei'
26/07/2009 19:29

Em texto para a Agência Fla, Mauricio Neves comenta a quebra do tabu na Vila Belmiro.
* Mauricio Neves de Jesus

O Flamengo não ganha do Santos na Vila Belmiro desde 1976, dizia o tabu, repetido na imprensa ano após ano. Desde 1976, mas ninguém dizia que o Santos ficou anos sem mandar seus jogos contra o Flamengo no Urbano Caldeira.
Ignorava-se na história do tabu que vencemos o Santos na estreia do campeonato brasileiro de 1980, gol de Zico, no Morumbi lotado. E também no Morumbi, pela Libertadores de 1984, goleamos por 5x0. No mesmo ano, no mesmo Morumbi, pelo nacional, vencemos por 1x0, gol de Tita do meio da rua. Em 1996, em São José do Rio Preto, vencemos por 2x1 com direito a gol de Aloísio Chulapa.
Mas o tabu era de jogos na Vila, e a cada ano se renovava a ladainha, relembrando uma vitória em um amistoso obscuro com um inusitado gol de Vanderlei, assim mesmo, ainda sem W e sem Luxemburgo no nome. Tão obscuro que não há imagem de arquivo, que o próprio Luxemburgo não se recorda do gol e que hoje, na transmissão da televisão, o narrador disse que o jogo foi em 1973 e perguntou a Júnior se ele havia participado. E Júnior respondeu que não, que só subiu para o time titular em 1974.
De fato Júnior não participou, mas porque estava com a seleção brasileira que disputava os Jogos Olímpicos de Montreal. A vitória do Flamengo sobre o Santos em 1976 foi um jogo que ninguém viu e era preciso enterrá-lo em sua insignificância, vencendo um jogo de verdade na Vila Belmiro.
Quando o Santos abriu o placar na tarde de hoje, e Wanderley, o mesmo que não se recorda do gol de Vanderlei, vibrou intensamente, cheguei a duvidar que pudéssemos pôr um ponto final nessa chatice de tabu. Não que o Santos estivesse melhor em campo, mas haveria de se fechar na defesa e nossas reduzidas possibilidades estavam em um lampejo de Adriano ou em um lance fortuito.
Aconteceram ambos, e o fim de tarde que se perdia na melancolia da derrota ganhou cores rubro-negras, porque tanto quanto enterrar o jogo de 1976 nós precisávamos vencer no nosso milésimo jogo em campeonatos brasileiros, para que Andrade se emocionasse e oferecesse a vitória a Zé Carlos, assim emocionando trinta e cinco milhões de pessoas.
Que não se fale mais no gol de Vanderlei. O que entra para a história é que, no jogo de número 1000 em campeonatos brasileiros, calamos a Vila Belmiro com um petardo de Adriano e com um gol impessoal, obra do Manto Sagrado em homenagem a Andrade, a Zé Carlos e à nossa vitoriosa história de cinco vezes campeões do país do futebol.
* Mauricio Neves de Jesus é advogado e professor universitário em Lages. Tem 36 anos e é um dos responsáveis pelo site www.flamantosagrado.com. Tem textos publicados no livro 'Ser Flamengo'.

Um comentário:

paula morena disse...

ele e o cara, a pessoa mais humilde do mundo. eu amo muito o adriano. alquem pode me manda um endereco do adriano que eu possa escrever para ele. meu e-mail e morena_10_rj@hotmail.com muito obrigador.