quarta-feira, 14 de maio de 2008



vamos com tudo hoje dri.. muita calma e sabedoria.. vamos adriano.kkkk bjão


Adriano e Washington usam valentia para imperar no Morumbi


Adriano e Washington receberam seus apelidos na mesma época. No início dos anos 2000, o são-paulino virou "imperador" na Itália e o jogador do Fluminense superou um problema cardíaco para se tornar o "coração valente". Referências de suas equipes, ambos acertaram retorno ao futebol brasileiro pouco depois do dia 10 de dezembro, acordos intermediados pelo empresário em comum Gilmar Rinaldi. Nesta quarta-feira, eles prometem ser decisivos para os seus times tricolores.



"Somos dois jogadores que podem resolver o jogo. Espero que o 'coração valente' consiga levar a melhor sobre o 'imperador'", avisou Washington, repetindo mais uma característica de Adriano, que também gosta de ser chamado pelo apelido. Quando chegou ao Morumbi, ao contrário, o centroavante tentou fugir do jogo de marketing. Bastaram algumas polêmicas para exigir que se referissem a ele pelo nome popular.
Os altos e baixos também são coincidentes nas trajetórias de Washington e Adriano, que se apóiam ao trocar elogios. "Até hoje, o Washington convive com o problema de saúde. Mas conseguiu dar a volta por cima e ser um grande jogador de novo. É um exemplo para todos nós", disse Adriano.
"O Adriano passou por uma fase ruim na carreira, mas é um ótimo jogador. Dentro da área, ele é um cara que decide, tanto pelo alto quanto por baixo. Precisamos tomar cuidado", retribuiu Washington.
o atacante da equipe carioca, aliás, espera ser decisivo não apenas dentro da área do adversário. Com praticamente a mesma estatura de Adriano, 1m89 contra 1m90 do Imperador, ele poderá ser escolhido pelo técnico Renato Gaúcho para parar o são-paulino nas cobranças de falta e escanteio.
"Não sei se sou eu quem irá marcá-lo nas bolas paradas, mas farei o máximo para ajudar a defesa do Fluminense. O jogo aéreo é um ponto forte do São Paulo e do Adriano", reforçou.
Pelo São Paulo, a atenção dos defensores está voltada para Washington, mesmo sabendo que o jogador do Fluminense amarga um jejum de sete jogos sem marcar. Enquanto o zagueiro Alex Silva lembra de tê-lo enfrentado em treinamentos como juvenil nos tempos de Ponte Preta (fato que o jogador do Fluminense esqueceu), seu companheiro Miranda o distingue de Adriano.
"São diferentes. O Adriano é mais rápido e forte. O Washington tem mais presença de área. Não podem ser marcados da mesma forma", avisou o beque. Já o técnico Renato Gaúcho preferiu diminuir a responsabilidade de Washington. "Não só ele, mas nossos 11 jogadores precisam estar ligados na partida", completou.
O centroavante do Fluminense, entretanto, não foge do que os torcedores esperam. "Esse é o tipo de jogo que gosto. Quero ser decisivo", disse. Adriano não deixa por menos. Revelado pelo Flamengo, ele esquece os clássicos cariocas disputados e também fala com entusiasmo sobre o duelo de quartas-de-final de Copa Libertadores.
"Meu principal jogo contra o Fluminense será agora. Espero ter boas recordações. Acredito muito nisso", avaliou. Certamente, a mesma valentia que os atacantes usaram para superar problemas pessoais estará em campo nesta quarta-feira. Mas só um deles irá imperar nas semifinais da competição continental

Um comentário:

Michel disse...

O Adriano tem uma boa visão de bola aérea, pois apesar de ser alto qualquer bola de cabeça ele faz gol